IDADE CONTEMPÔRANEA!

Otto von Bismarck
Otto von Bismarck

A unificação alemã é um processo longo. Antes da unificação, a Alemanha estava dividida em 39 estados que formavam a Confederação Germânica. A Confederação era governada por uma assembléia com representantes de todos os estados, mas os que mais tinham poder era a Prússia, Áustria e Baviera.

A Prússia, querendo aumentar seu poder e território, era a favor da unificação, mas a Áustria era contra, pois temia perder poder.

Em 1834, foi criado o Zollverein (união aduaneira dos Estados Germânicos) para facilitar o comércio entre eles. Praticamente todos os estados participaram dessa união, exceto a Áustria, a Prússia assim aumentou seu poder ainda mais, enquanto a Áustria perdia.

Em 1862. Guilherme I, rei da Prússia, escolheu como seu primeiro ministro, Otto von Bismarck. Os dois tinham interesse em unificar a Alemanha. Bismarck achava que para conseguir isso, era necessário ter grande poderio militar.

Em 1864, com apoio da Áustria, a Prússia conquistou os ducados de Holstein e Schleswig que eram habitados por germânicos, o ducado de Holstein ficou sobre domínio austríaco.

Em 1866 a Prússia declarou guerra a Áustria, pois Bismarck não estava contente com a administração austríaca sobre este ducado. Vencendo a Áustria, a Prússia passou a dominar os estados do norte da Confederação.

Para completar de vez a unificação, a Prússia precisava anexar os estados ao sul, mas Napoleão III, da França foi contra isso e em 1870 declarou guerra a Prússia.

Com um exército formado por militares prussianos e de outros estados germânicos, a Prússia invadiu e conquistou a França.

Guilherme I foi proclamado Imperador da Alemanha em 1871, concluindo assim o processo de unificação da Alemanha. Ainda em 1871 foi assinado o Tratado de Frankfurt entre França e Alemanha. Como derrotados, os franceses tiveram de pagar uma elevada indenização de guerra, além de ceder à Alemanha os territórios da Lorena e da Alsácia, mais tardes perdidos na Primeira Guerra Mundial.

POR ALX

 

Papa Gregório XII, em 1415 renunciou o cargo, depois de 600 anos o fato volta a se repitir com a renuncia de Bento XVI.
Papa Gregório XII, em 1415 renunciou o cargo, depois de 600 anos o fato volta a se repitir com a renuncia de Bento XVI.

BENTO XVI RENUNCIA

Papa Bento XVI renuncia o cargo mais alto da igreja católica, ele afirmou que renunciou o cargo por causa da idade avançada e por isso não conseguia mais cumprir algumas tarefas exigidas de um papa. Bento XVI governou a igreja católica durante 8 anos, ele sucedeu João Paulo II. Nesse período a igreja católica esteve em forte crise, um dos principais fatos que chocou o mundo foi cardeais, padres e outros cometerem pedofilia com crianças de várias partes do mundo, talvez os mais conhecidos sejam os ocorridos na Irlanda, há pouco tempo atrás.   

A renuncia de um papa não acontecia a mais de 600 anos, quando o papa Gregório XII, em 1415, renunciou para terminar com uma disputa interna.

Em 28 de fevereiro de 2013 o papa oficializou sua renuncia.

POR ALX

Gavrilo Princip sendo preso logo após o assassinato.
Gavrilo Princip sendo preso logo após o assassinato.

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL-O INÍCIO

 

O dia 28 de junho de 1914, foi para a maioria dos europeus, um domingo qualquer de verão, bom para descansar e tomar sol. A paz e uma prosperidade econômica que nunca havia acontecido antes já durava á cerca de três décadas fazendo com que todos ficassem otimistas quanto ao futuro achando que a prosperidade seria eterna.

Apesar disso alguns pessimistas (ou talvez realistas) achavam que uma guerra estava prestes a estourar porque as nações da Europa estavam divididas em dois blocos.

Bloco 1: Tríplice Aliança composta por Alemanha, Áustria e Itália.

Bloco 2: Entente composta por França, Russia e Grã- Bretanha.

Os dois lados estavam fortemente armados e esperando um motivo para começar um conflito, mas ninguém esperava que esse motivo apareceria tão rápido.

Nesse domingo comentado acima, o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono Austro- Hungáro e comandante-em-chefe do exército austríaco, fazia uma visita oficial a Sarajevo, capital da Bósnia nos Bálcãs. Essa não era uma visitinha qualquer, pois a Bósnia havia sido recentemente anexada(palavra bonita para conquistada) pela Áustria, e a presença do arquiduque era para mostrar quem estava mandando. Só qua a maioria do bósnios eram conspiradores fiéis a Sérvia.

Uma organização rebelde conhecida como mão-negra havia planejado diversas maneiras diferentes de assasinar Francisco Ferdinando em sua visita ao País.

Primeiramente jogaram uma granada quando o comboio do arquiduque passava, mas o seu motorista percebeu acelerou, no entanto ela explodiu no carro que passava atrás, ferindo seus ocupantes, o conspirador vendo que seu plano havia falhado injeriu cianoreto e atirou-se de uma ponte, mas vomitou o veneno e acabou sendo preso pela polícia.

Mesmo assim Francisco Ferdinando quis mostrar que não estava abalado e saiu mais uma vez pelas ruas e ainda decidiu visitar os feridos do atentado no hospital da cidade.

Gavrilo Princip, outro conspirador do mão-negra estava desanimado pelo plano dar errado e foi a uma lanchonete comer um sanduíche quando não se acreditou ao ver o carro do arquiduque passando em frente da lanchonete, e ainda o carro havia morrido com o motorista tentando fazê-lo funcionar, diante dessa situação não pensou duas vezes e pulou em frente do carro atirando à queima-roupa em Francisco Ferdinando e sua esposa.

Essas mortes foram o estopim ou o motivo para que os dois blocos guerreasem, porque  quando os conspiradore de Sarajevo foram presos foi descoberto que a organização mão-negra era treinada na Sérvia e seus armamentos também vinham deste País.

Um mês depois, no dia 28 de julho o Império Austro-Hungáro naturalmente declarou guerra  à Sérvia por ter ajudado na conspiração, na verdade o império apresentou um ultimato internacional exigindo praticamente o fim da independência Sérvia.

Os alemães davam apoio a Áustria dizendo que nenhuma outra nação deveria se meter no assunto pois o problema dizia respeito apenas aos dois países. Em resposta a Rússia veio em defesa da Sérvia e declarou guerra a Alemanha.      

 (continuaremos...)

POR JGP E ALX

Kaiser Guilherme
Kaiser Guilherme

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL-VISÃO GERAL

 

Em 18 de janeiro de 1871, Guilherme I tornou-se imperador do Reich ou império alemão, nomeou Otto Von Bismarck como chanceler. Bismarck evitou o conflito do império com outras nações, pois visava o desenvolvimento do novo império, aliando-se com a Itália e o Império Austro-Húngaro, formando assim a Tríplice Aliança.

Guilherme II(Kaiser Guilherme) tomou o trono do Império alemão depois da morte de Guilherme I e de Frederico III, em 1888 Guilherme II ascendeu ao trono quando tinha 29 anos. O Kaiser obrigou Bismarck a renunciar, e adotou uma política de expansão do império em todo o mundo.

Em 24 de agosto de 1898, o Czar Nicolau, da Rússia, convocou uma conferência de paz em Haia, Holanda. Neste momento o clima internacional era de tensão. Esta conferência em Haia e uma outra que se seguiu em 1907 instituíram a Corte Permanente de Arbritagem, localizada em Haia. Por serem membros dessa corte, o Reich alemão e a Grã-Bretanha davam a impressão de que estavam a favor de paz, mas na verdade estavão esperando a hora exata para começar a guerra.

Kaiser Guliherme empenhou-se por objetivos coloniais na África e em outros lugares, desafiou a supremacia da marinha britânica, por passar a desenvolver uma poderosa marinha, a THE NEW ENCYCLOPEDIA BRITANNICA diz: "O poderio naval alemão passou de insignificante para ser secundário apenas atrás da Grã-Bretanha em pouco mais de uma década". A Grã-Bretanha para manter sua supremacia foi obrigada a ampliar seu programa naval. Então negociaram a entente cordiale(entendimento amigável) com a França e um acordo parecido com os russos, formando assim a Típlice Entente. Europa então ficou dividida entre Tríplice Aliança e Tríplice Entente.

O Império alemão adota uma atitude agressiva, que resultou em muitos ganhos para a Alemanha. O Império Austro-Húngaro e a Itália eram nações católico-romanas, o que fez com que a Tríplice Aliança obtivesse o favor do papa, e a Tríplice Entente na maior parte não era católica, o que fez com que não tivessem tanto o favor do papa.

O Kaiser Guilherme promoveu seu programa de dominação do mundo, dando os primeiros passos da Primeira Guerra Mundial.

Em 28 de junho de 1914 o arquiduque austríaco Francisco Ferdinando e sua esposa foram assasinados em Saravejo, na Bósnia pelo sérvio Gavrilo Princip. Este foi o estopim para o início da guerra.

O Kaiser encentivou O Império Austro-Húngaro a reagir contra a Servia, então em 28 de julho de 1914 eles declararam guerra a Sérvia. Mas a Rússia vei em favor da Sérvia. A Alemanha declarou guerra à Rússia, e a França apoiou a os russos, então a Alemanha declarou guerra à França. Para invadir Paris mais rápido a Alemanha invadiu a Bélgica, cuja neutralidade havia sido garantida pela Grã-Bretanha. De modo que este declarou guerra a Alemanha, muitas nações estavam envolvidas na guerra e a Itália mudou de lado.

Em 7 de maio de 1915, o submarino alemão U-20 afundou o navio civil Lusitania, ao largo da costa sul da Irlanda, entre os mortos havia 128 americanos. A Alemanha estendeu a guerra naval para o Atlântico. Em 6 de abril de 1917, o presidente americano Woodrow Wilson declarou guerra à Alemanha.

Sofrendo forte ataque da Entente, em novembro de 1918, a Alemanha admitiu a derrota. Guilherme II fugiu para o exílio na Holanda, e a Alemanha tornou-se uma república.

 

 

 

Dia D: Invasão da Normandia.
Dia D: Invasão da Normandia.

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

 

Mais devastadora que a 1ª Guerra Mundial, teve início em 1939 com as campanhas militares de Hitler para invadir a Polonia e recuperar o território perdido na Grande Guerra.

O Mundo estava novamente dividido em dois grupos:

- Eixo: Alemanha, Itália e Japão;

- Aliados: Inglaterra, França, URSS e Estados Unidos da América.

Hitler havia assinado um tratado de não-agressão com Stalin, mas ao invadir a Polonia ele rompeu este tratado, e assim como já citado deu início ao conflito.

Uma vez dentro da Polonia, Hitler iniciou sua perseguição contra os judeus.

Tempo depois invade a Holanda, Bélgica, Noruega e Dinamarca.

Um dos conflitos mais marcantes da 2ª Guerra foi a batalha pela França, na qual os franceses foram completamente arrasados pelo exército de Hitler, o que salvou a França foi ela estar aliada a Inglaterra e principalmente aos Estados Unidos da América, que mais tarde a salvaria na invasão do Dia D, na Normandia.

A força alemã se destacou principalmente no combate aéreo, a Luftwaffe(força aérea alemã) era praticamente imbatível, e um dos combates mais ferrenhos que a Luftwaffe enfrentou foi a resistência da cidade de Londres que bravamente resistiu as forças de Hitler.

Até então a Alemanha era um país imbatível, mas ao tentar invadir a Rússia, enfrentou um frio inesperado, e muitos homens de Hitler sucumbiram ao frio russo. Além do frio, os alemães não encontraram recursos nas cidades russas que invadiram, pois os moradores destruiram tudo o que havia nelas e rucuaram para o interior do país.

O exército alemã se viu obrigado a recuar e enquanto voltavam as forças russas vieram em seu encalço, matando assim mais soldados de Hitler.

A Alemanha lutava em duas frentes, tinha um aliado fraquíssimo, que era a Itália e seu aliado mais forte se encontrava do outro lado do mundo, o Japão, que audasciosamnete fez um ataque com seus Kamikazes ao porto de Pearl Harbor, matando centenas de pessoas(civis e soldados) e destruindo vários porta aviões.

Em 30 de abril de 1945, os aliados sitiaram Berlim, que estava semidestruída, e Hitler junto com sua esposa se suicidaram. Dois dias depois, em maio de 1945 os russos tomaram o controle de Berlim.

Em 7 de maio de 1945, as forças alemãs se rendem, pondo vim a supremacia da Alemanha na Europa.

Em 6 e 9 de agosto de 1945, o Japão sofreu o mais devastador ataque da 2ª Guerra Mundial, duas Bombas Atômicas destruíram as cidades de Hiroshima e Nagasaki.

Foi esse ataque que deu fim a 2ª Guerra Mundial.

A Europa estava novamente devastada, com cerca de 45 milhões de mortos, milhares de feridos e desabrigados.

O mundo voltaria a temer uma guerra anos depois num conflito tenebroso chamado de Guerra Fria.

Por ALX

 

 

 

Lênin
Lênin

REVOLUÇÃO RUSSA

 

No início do século XX, a Rússia estava com sua econômia atrasada, e 80% de sua econômia era da agricultura.Os trabalhadores rurais viviam em extrema pobreza, pagando altos impostos ao governo do Czar Nicolau II.

 Nicolau II governava seu país de forma a absulutista. Praticamente todos os trabalhadores estavam descontentes com o governo.

No dia conhecido com domingo sangrento, em 1905, ele manda o exército fuzilar milhares de manifestantes. Os Potenkim(marinheiros encouraçados) também foram reprimidos pelo Czar. Assim começava a formação dos sovietes(organização de trabalhadores russos), liderados por Lênin. Os bolcheviques começaram a preparar a revolução socialista na Rússia e a queda da monarquia.

Faltava alimentos na Rússia czarista, empregos para os trabalhadores, salários dignos e democracia. Mesmo assim, Nicolau II jogou a Rússia numa guerra mundial. Os gastos com a guerra e os prejuízos fizeram aumentar ainda mais a insatisfação popular com o czar.

As greves de trabalhadores urbanos e rurais espalham-se pelo território russo. Ocorriam muitas vezes motins dentro do próprio exército russo. As manifestações populares pediam democracia, mais empregos, melhores salários e o fim da monarquia czarista. Em 1917, o governo de Nicolau II foi retirado do poder e assumiria Kerenski (menchevique) como governo provisório.

Com Kerenski no poder pouca coisa havia mudado na Rússia. Os bolcheviques, liderados por

Lênin, organizaram uma nova revolução que ocorreu em outubro de 1917. Prometendo paz, terra, pão, liberdade e trabalho, Lênin assumiu o governo da Rússia e implantou o socialismo. As terras foram redistribuídas para os trabalhadores do campo, os bancos foram nacionalizados e as fábricas passaram para as mãos dos trabalhadores.

Lênin também retirou seu país da Primeira Guerra no ano de 1918. Foi instalado o partido único: o PC (Partido Comunista).

Após a revolução, foi implantada a URSS ( União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). Seguiu-se um período de grande crescimento econômico, principalmente após a NEP ( Nova Política Econômica ). A URSS tornou-se uma grande potência econômica e militar. Mais tarde rivalizaria com os Estados Unidos na chamada Guerra Fria. Porém, após a revolução a situação da população geral e dos trabalhadores pouco mudou no que diz respeito à democracia. O Partido Comunista reprimia qualquer manifestação considerada contrária aos princípios socialistas. A falta de democracia imperava na URSS.

Os líderes da União Soviética durante o regime socialista:

- Vladimir Lenin (8 de novembro de 1917 a 21 de janeiro de 1924) 
- Josef Stalin (3 de abril de 1922 a 5 de março de 1953)
- Nikita Khrushchov (7 de setembro de 1953 a 14 de outubro de 1964)
- Leonid Brejnev (14 de outubro de 1964 a 10 de novembro de 1982)
- Iúri Andopov (12 de novembro de 1982 a 9 de fevereiro de 1984)
- Konstantin Chernenko (13 de fevereiro de 1984 a 10 de março de 1985)
- Mikhail Gorbachev (11 de março de 1985 a 24 de agosto de 1991).

TEXTO EDITADO Por ALX

 



Cruz Suástica Nazista
Cruz Suástica Nazista

NAZISMO E HITLER(veja o artigo Adolf Hitler, em Biografias)

 

- Hitler odiava Judeus por 3 motivos:

1º- Quando jovem ele queria ingressar na carreira da arte, mas o diretor da academia o rejeitou. O diretor era Judeu;

2º- Os Judeus eram ricos;

3º- Os Judeus eram pessoas melhores que ele.

Bem, agora que esclareci o ódio de Hitler pelos Judeus vou falar sobre o nazismo.

O Nazismo(Nacional Socialismo,"os anti humanos") teve o "apoio" do povo por um motivo: Orgulho alemão(raiva do tratado de versalhes).

Agora vou falar sério.

- NAZISMO: Em 1919, foi fundado o Partido Nazista, que teve como chefe Adolf Hitler, austríaco que lutara no exército alemão. No mesmo ano, foi votada a nova Constituição da Alemanha. Estabelecia uma federação de 23 Estados, que passavam a ter uma Constituição democrática, enviando seus delegados a uma Assembléia Nacional. O Reichstag.

Depois de alguns atos no governo entre outras coisas, Hindenburg foi eleito presidente em 1925, substituição a Ebert, falecido. A recuperação da Alemanha era bem frágil. A crise econômica mundial de 1929 demonstrou esse fato, pois permitiria a ascensão ao poder do líder do Partido Nazista, Adolf Hitler. Ele se utilizou do descontentamento dos alemães com o governo para obter mais adeptos. O Partido Nazista imitou o Partido Fascista: tinha tropas de choque e empregava métodos violentos contra socialistas, comunistas e judeus, além de perseguir sindicatos e jornais.

Quem os nazistas persiguiam: 

- Religiosos que se recusavam a prestar serviço militar, e saudar Hitler( Heil Hitler);

- Os negros;

- Os Judeus;

- Os Homossexuais;

Perseguiam todos que eram contra eles, os cara se achavam muito(bando de sem noção eram os nazistas).

- O que eles pregavam: Pregavam a necessidade de se manter a pureza da raça ariana,eliminando os judeus, negros e outros da Alemanha.

Quando Hitler chegou a poder, utilizou-se de suas tropas de choque para se livrar de adversários políticos. E em 1932 elegeu 230 deputados de seu partido. Em 1934, morreu o presidente alemão. Hitler, que assumiria em 1933 como primeiro-ministro, impôs uma ditadura violenta.

Pessoas de destaque da oposição foram enviadas para campos de concentração. Todos os estados ficaram centralizados pelas ordens de Hitler. Os judeus perderam a cidadania e passaram a ser perseguidos. Todos eram obrigados a exercer a doutrina nazista.

Falto uma coisa: Os Nazistas também odiavam os Judeus pois eles os achavam Capitalistas, e que enfraqueciam a economia alemã.

Este é um pequeno resumo sarcástico sobre a história do Nazismo!

Por ALX


Guerra da Síria.

Mapa Turquia, Síria.
Mapa Turquia, Síria.

GUERRA DA SÍRIA

 

 A guerra civil na Síria começou em 2011 sob ditadura de Bashar al-Assad, que está no poder há quase 12 anos. Os protestos inicialmente eram feitos em pequenos grupos contra a corrupção e as medidas totalitárias do governo do ditador.

O que era um pequeno grupo de revolucionários, agora é uma grande massa de gente em todo o país.

Desde 2011, soldados revolucionários que formam o Exército Sírio Livre (ESL) e leais ao governo de Bashar al-Assad já se enfrentaram diversas vezes, causando inúmeras mortes, deixando milhares de feridos, também muitos Sírios estão deixando o país em busca de paz. 

Segundo certa estimativa(da ONU) forças do governo já mataram cerca de seis mil pessoas.

O conflito interno vem tomando tal proporção no Oriente Médio, que já virou assunto das autoridades estrangeiras.  O problema é que o governo sírio simplesmente rejeita qualquer esforço externo de por um fim na guerra, dessa forma a Síria se encontra cada vez mais isolada no cenário internacional – assistida pelo seu único aliado, a Rússia.

Os revolucionários estão tendo 'apoio' do Papa.

Em um discurso feito a uma multidão estimada em 20 mil jovens, o papa Bento XVI disse: "Eu gostaria de dizer o quanto eu admiro a coragem de vocês. Digam a suas famílias e amigos que estão em casa que o papa não esqueceu vocês. Digam aos que estão ao redor de vocês que o papa está entristecido pelos sofrimentos e a aflição que vocês sentem. É a hora de cristãos e muçulmanos ficarem juntos e colocarem um fim à violência e à guerra, não nos esqueçamos que a liberdade religiosa é um direito fundamental, da qual derivam vários outros direitos. Eu rezo pelos jovens da Síria. A coragem de vocês me moveu e eu rezo pelas suas famílias. Estou triste mas nunca esqueci o Oriente Médio que sofre. É hora dos cristãos e muçulmanos se unirem e colocarem um fim à violência".

É bem provável que assim como quando estávamos na escola estudávamos revolução Inglesa, Francesa, Russa, daqui alguns anos quem estiver na escola também vai estudar a revolução Síria. 

ATUALIZAÇÃO 04/10/2012: Turquia ataca a Síria!

Nessa semana, após um morteiro Sírio atingir a cidade turca Akcakale e matar 5 pessoas, o governo da Turquia permitiu a entrada do exército turco na fronteira com a Síria e bombarderam um posto militar perto da cidade síria de Tel Abyad.

A Turquia respondeu aos ataques Sírios na quarta à noite(03/10/2012) e na quinta de manhã(04/10/2012).

Rebeldes e exércitos da Síria entram em conflito novamente, e cerca de 21 soldados do governo morreram.

Na Turquia ocorreram protestos, com os manifestantes gritando  "Nós não queremos guerra!" e "O povo sírio é nosso irmão!"

O Parlamento Turco autoriza as Forças Armadas, se nescessário, a invadir a Síria.

A OTAN( Organização do Tratado do Atlântico Norte) e os Estados Unidos manifestam solidariedade a Turquia.

 

 

ATUALIZAÇÃO 05/10/2012: Exército Turco Responde Novo Disparo Vindo da Síria!

 

O disparo atingiu a localidade turca de Altinozu, provocando a resposta imediata do Exército turco às 16h30 GMT (13h30 de Brasília).

Falando em discurso em Istambul, Erdogan(1º Ministro Turco) disse que a Turquia "não está interessada na guerra", mas "não está distante dela também".

A Turquia respondeu aos ataques com disparos contra o Exército Sírio.

O embaixador sírio na ONU, Bashar Jaafari, afirmou que a Síria "não busca uma escalada com nenhum de seus vizinhos, incluindo a Turquia".

Erdogan falou que testar a "capacidade de dissuasão" da Turquia seria um "erro fatal".

Conselho de segurança da ONU e alguns Países pedem moderação por parte da Síria e da Turquia.

Um helicóptero do Exército Sírio foi derrubado nesta sexta-feira em Damasco por rebeldes.

Erdogan falou que a Turquia não vai ficar passiva diante dos ataques.

ATUALIZAÇÃO 06/10/2012: Turquia Abre Fogo Novamente contra a Síria!

A Turquia ataca a Síria novamente após disparos de morteiro vindo da Síria terem atingido território turco hoje.

A Turquia já foi aliada do ditador sírio, mas se voltou depois das repressões do governo, que já matou mais de 30 mil pessoas.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu falou: "Com o mandado, não estamos indo para a guerra, estamos mostrando ao governo sírio nossa posição, dando o alerta necessário para impedir uma guerra".

 ATUALIZAÇÃO 08/10/2012: Turquia ataca a Síria Novamente!

A Turquia respondeu a um novo disparo sírio atacando posições das forças do exército do governo, ONU teme que a violência entre os dois países aumente mais!

ATUALIZAÇÃO 09/10/2012: OTAN Diz Que Tem Planos Para Defender a Turquia!

O chefe da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse nesta terça-feira(08/10/12) que a OTAN tem planos prontos para defender a Turquia de um ataque da Síria se for necessário, também falou que espera que o conflito acabe logo.

Rebeldes invadem cidade estratégica na Síria.

ATUALIZAÇÃO 10/10/2012: Turquia Diz Que Vai Aumentar Represálias se A Síria Voltar a Atacar!

O Chefe de Estado-Maior Turco, general Necdet Ozel falou que a Turquia irá responder com maior força os ataques vindos da Síria.

ATUALIZAÇÃO 11/10/2012: Turquia intercepta avião Sírio!

Na quarta-feira a Turquia interceptou um avião de passageiros de uma companhia Síria, acusando que nele havia material militar para as forças de Assad.

A Rússia que é aliada de Assad disse que vidas foram colocadas em risco quando os turcos obrigaram o avião à pousar.

"Estamos determinados a controlar transferências de armas para um regime que realiza tais massacres brutais contra civis. É inaceitável que tal transferência seja feita usando nosso espaço aéreo", disse Ahmet Davutoglu(ministro de relações exteriores da Turquia).

A força militar da Turquia recolheu a carga suspeita e liberou o avião, e autoridades falaram que o material está sob investigação.

ATUALIZAÇÃO 21/10/2012:

É difícil cobrir conflitos no Oriente Médio, pois lá os caras sempre estão brigando.

Por ALX

Vídeo: Turquia reage a morteiro lançado na cidade turca Akcakale:

Turquia monta guarda na fronteira com a Síria.
Turquia monta guarda na fronteira com a Síria.
Comboio turco indo para a fronteira com a Síria.
Comboio turco indo para a fronteira com a Síria.
Ataque da Síria a cidade turca de Akcakale.
Ataque da Síria a cidade turca de Akcakale.
Rua da cidade Síria de Aleppo.
Rua da cidade Síria de Aleppo.
O primeiro monge João Maria D'Agostini, essa fotografia foi encontrada junto de seu corpo em 1867 na cidade de Novo México, EUA, essa foi a última cidade por onde o andarilho passou e acabou sendo assassinado
O primeiro monge João Maria D'Agostini, essa fotografia foi encontrada junto de seu corpo em 1867 na cidade de Novo México, EUA, essa foi a última cidade por onde o andarilho passou e acabou sendo assassinado

GUERRA DO CONTESTADO

 

Enquanto os olhos do mundo estavam voltados para os acontecimentos da Europa que culminariam com a 1ª Grande Guerra Mundial, em Santa Catarina também se desenrolavam acontecimentos que acabariam no sangrento conflito que ficou conhecido como Guerra do Contestado.

A guerra teve este nome porque a região oeste de Santa Catarina estava em uma disputa de divisas com o Paraná, ou seja, as divisas estavam sendo contestadas, era uma disputa antiga de mais de 40.000 KM².

Moravam na região cerca de 30.000 pessoas, entre muitas gerações de índios Kaigangues e Xoklengs, tropeiros, negros e trabalhadores da estrada de ferro. Também viviam ali gente de conflitos anteriores, como a Revolução Federalista e a Guerra do Paraguai, além dos primeiros imigrantes europeus que chegavam, poloneses, ucranianos e alemães em busca de melhores condições de vida, mas este não foi o único motivo para a guerra acontecer.

Patrões e empregados tinham uma relação servil naquela época, o capitalismo ainda não dominava as relações naquela região.

As propriedades na sua maioria não eram regularizadas, e nem a igreja chegava a todos. O sertão tinha suas leis e suas relações. As crenças eram semelhantes e se misturavam. O conforto estava nos ensinamentos dos monges, como existiam poucas igrejas e padres naquele tempo eram os monges andarilhos que iam às casas das pessoas, eles pregavam, benziam, levavam esperança de curas para o corpo e a alma.

O primeiro e mais lembrado desses monges foi João Maria D'Agostini que deixou sua marca em todo o sul do Brasil, até hoje é conhecido como São João Maria no coração de quem acredita nele e para ele muitos acendem velas e fazem promessas.

Logo após a passagem desse monge pelo Sul do Brasil cai a monarquia e nasce a república, proclamada em 15 de novembro de 1889.

Curiosamente em 1896 alguns anos após a passagem do primeiro surgiu um segundo monge com características quase idênticas que se autodenominava João Maria de Jesus (segundo alguns historiadores seu verdadeiro nome era Anastás Marcaf), que fez surgir a crença na população que ambos eram os mesmos, o discurso desses monges era favorável a monarquia que segundo eles era decretada por Deus, sendo assim a república era algo condenável e satãnico, esse segundo João Maria sumiu misteriosamente sem deixar vestígios em 1906 o que alimentou ainda mais a crença de que se tratava de um santo.

Mapa da região onde mostra a ferrovia São Paulo-Rio Grande e a região contestada por Paraná e Santa Catarina
Mapa da região onde mostra a ferrovia São Paulo-Rio Grande e a região contestada por Paraná e Santa Catarina

Em 1906 o governo federal concedeu à Brazilian Railway Company, a construção da ferrovia São Paulo-Rio Grande. A companhia teve também permissão para explorar 15 KMs de cada lado da estrada de ferro e começou a explorar a madeira. 

O empresário que estava à frente da Brazilian Railway Company era o norte-mericano Percival Farqhuar (para alguns era um homem à frente do seu tempo, já para outros não passava de um explorador) que tinha negócios no mundo todo, além da estrada de ferro São Paulo-Rio Grande que passava pelas terras da Guerra do Contestado, construiu a ferrovia Madeira-Mamoré no norte do Brasil e para explorar as terras em torno da ferrovia do sul montou outra empresa a Southern Brazil Lumber & Colonization Company, uma serraria com sede na cidade de Três Barras em Santa Catarina, que chegou a ser a mais moderna da América do Sul, suas máquinas extraíam Imbúias, Araucárias e outras madeiras nobres e raras com uma rapidez espantosa, a Lumber também tinha uma sala de cinema, a terceira a surgir no Brasil, além de uma polícia própria armada até os dentes.

O problema era que nessa área já haviam moradores e a ferrovia desalojou todos desde pobres até grandes fazendeiros, junto ao povo expulso de suas terras, também se juntaram nas "bordas" da ferrovia os trabalhadores que construíram a ferrovia mas agora que ela já estava pronta viram-se desempregados, toda essa situação deixou um clima muito tenso...

No meio de toda essa confusão apareceu um terceiro monge e o único a ter participado diretamente dos eventos do contestado, o povo o chamava de José Maria (porque não?) e dizia-se que seu nome verdadeiro era Miguel Lucena de Boaventura e era desertor do exército, conhecia ervas medicinais e receitava remédios e benzimentos para a população mas também fazia pregações. Assim como os monges anteriores usava um gorro de pele de jaguatirica e conseguiu reunir em torno de si centenas de caboclos, admirador de Carlos Magno (veja sobre ele em Idade Média, Império Carolíngio) contava histórias sobre uma monarquia celestial e sobre o exército encantado de São Sebastião.

José Maria tinha algo que os outros monges não tinham: ele conseguia reunir multidões,segundo relatos curou a mulher de um coronel e atendia aos moradores da região em busca de rezas e curas, mas isso só fez aumentar a desconfiança das autoridades que se sentiam incomodadas com o discurso e com a fascinação que a população sentia pelo monge, prevendo um confronto com o governo José Maria partiu para as terras de Irani (território que começou a ser desbravado e ocupado no início do século XIX, por fazendeiros e colonos oriundos principalmente do norte do Rio Grande do Sul, em 11 de Setembro de 1963, tornou-se município separando-se do município de Cruzeiro, hoje Joaçaba).

Para os paranaenses Irani pertencia ao Paraná e o estado entendeu a chegada do monge e dos caboclos que o seguiam como uma afronta, foram tidos como invasores e uma expedição comandada pelo capitão João Gualberto, do Paraná foi enviada para atacar no dia 22 de outubro de 1912 data que marca o início da Guerra do Contestado.

O ataque foi um desatre pois os sertanejos acabaram vencendo o cambate e o capitão Gualberto acaba morrendo, mas os sertanejos também têm de chorar sua grande perda a morte do monge José Maria.

Soldados e caboclos foram enterrados em uma vala coletiva chamada Vala dos 21 e o monge foi enterrado em vala bem rasa para supostamente facilitar sua ressureição, pois a população aguardava pela "volta" de José Maria e seu exército encantado de São Sebastião no final de 1913.

Teodora, uma menina de 11 anos, conhecida como uma das virgens que acompanhavam José Maria, começou a ter sonhos com ele, nos quais ordenava que todos voltassem a se reunir na região de Taquaruçu, onde estavam antes de partirem para Irani.

O chamado acabou atraindo vários grupos de descontentes e miseráveis locais, desta vez conscientes de que desafiavam as autoridades. Formou-se a primeira cidade santa, em Taquaruçu que chamabam de Nova Jerusalém, onde todos viveriam em um regime baseado em laços de solidariedade e igualdade, e estavam lutando contra a "República do Diabo".

A bandeira branca com uma cruz verde representava a irmandade cabocla deste "exército encantado", segundo eles era preciso agitá-la no ar três vezes para vencer qualquer inimigo.

A batalha de Irani deixou claro que aos militares do governo republicano que precisariam de mais reforços, poe isso em 8 de fevereiro de 1914, 700 soldados equipados até com metralhadoras foram enviados para atacar Taquaruçu, o "reduto sagrado" foi arrasado e incendiado os poucos que sobreviveram fugiram para Caraguatá.

A atriz Annelise Mileo representando a jovem Maria Rosa em minissérie sobre a Guerra do Contestado
A atriz Annelise Mileo representando a jovem Maria Rosa em minissérie sobre a Guerra do Contestado

Além da menina Teodora começaram a surgir outros videntes, trazendo mensagens do monge, entre elas Maria Rosa, uma jovem de 15 anos que comandou milhares em Caraguatá, pois tinha a habilidade de unir a população.

O exército chama Carlos Frederico de Mesquita veterano que já havia combatido na Guerra dos Canudos, ele têm um erro de julgamento de achar que o conflito teria acabado ao ver o reduto de Caraguatá ser abandonado pelo Tifo.

Mas os reunidos por Maria Rosa estavam se deslocando em diversos lugares da região entendendo que sua guerra é "santa" passam a saquear e invadir propriedades pegando toda alimentação que encontram para garantir a subsistência dos seus redutos, além disso, atacam cartórios e queimam os registros das terras argumentando que não reconheciam os proprietários.

Adeodato no centro ao ser pego pelo exército republicano.
Adeodato no centro ao ser pego pelo exército republicano.

Um dos principais líderes dessa época do conflito era Adeodato Manoel Ramos, ele passou a se destacar não por "visões" ou características místicas mas por sua valentia, estava sempre pronto a empunhar uma espada.

Liderados por Adeodato o movimento ganha forças, as vitórias militares sobre o exército aumenta a certeza de sua causa, se enchiam de esperança e cada vez mais pessoas iam para os redutos, com tanta gente a situação começa a fugir do controle e o objetivo espiritual começa a ficar cada vez mais esquecido.

Em 1° de setembro de 1914 (enquanto o mundo já se digladiava na 1ª Grande Guerra Mundial) os caboclos revoltosos iniciaram um manifesto monarquista na Serraria Southern Brazil Lumber & Colonization Company, em Calmon, lá incendiaram e queimaram todos os documentos.

Adedato se torna cada vez mais forte e cada vez mais cidades são atacadas, é um momento de total desespero para população.

O exército republicano toma novas providências enviando o General Setembrino de Carvalho com 7.000 soldados tenta um acordo com os rebeldes que não aceitam, mas Setembrino havia aprendido com experiências negativas dos outros e decide não confronta-los diretamente, pois os caboclos lutavam com "garra", usa assim a tática de apenas cercar os redutos impedindo a entrada e saída de armas e alimentos ou qualquer outro recurso necessário.

À medida que a fome aperta e o exército republicano fecha mais o cerco Adeodato vai fica cada vez mais agressivo, quem desertava era punido com a morte, sendo assim o ano de 1914 termina com uma virada na guerra, os redutos agora já não estvam mais tão convictos e unidos como anteriormente e o exército reublicano começava confiantemete a perceber que estavam se aproximando da vitória.

Existia mais de um reduto de revoltosos e um a um vão sendo exterminados pelo exército, às margens do rio Caçador Grande a tropa do capitão Tertuliano Potyguara mata a jovem Maria Rosa que tanto cativava os caboclos sendo um dore golpe no moral dos rebeldes.

Nos dias 3 e 4 de abril de 1915 o principal reduto (o de Santa Maria) é destruído, para os militares é a certeza da vitória mas Adeodato junto com uns poucos sobreviventes consegue fugir e forma um outro pequenino reduto com os sobreviventes de Santa Maria que dura até Dezembro quando é atacado e (por incrível que pareça) Adeodato consegue novamente fugir passando 8 meses se escondendo nas matas, mas enfim, em 4 de agosto de 1916 Adeodato é capturado, era o último suspiro dos rebeldes e o fim da Guerra do Contestado.

Condenado a 30 anos de prisão, Adeodato cumpriu pena em Florianópolis, ficou apenas 7 anos e numa tenativa frustrada de fuga é fuzilado pelo diretor da cadeia.

Os governadores Felipe Scmidt(SC) e Afonso de Camargo (PR) assinando o acordo de divisas junto ao presidente Wencesláu Braz no Palácio do Catete no Rio de Janeiro
Os governadores Felipe Scmidt(SC) e Afonso de Camargo (PR) assinando o acordo de divisas junto ao presidente Wencesláu Braz no Palácio do Catete no Rio de Janeiro

A guerra havia acabado, mas a contestação pelos territórios não, a briga pelos limites dos territórios durou até 12 de outubro de 1916 quando os governadores Felipe Schimidt (Santa Catarina) e  Afonso Camargo (Paraná) assinaram um acordo e criaram o município com um nome sugestivo e simbólico "Concórdia".

No dia 20 também no mês de outubro de 1916 os limites foram acertados junto ao presidente da república Wencesláu Braz no Rio de Janeiro, então capital federal.

POR JGP